Meio de volta...

sábado, abril 17



Eu não sou mas, o que era antes. Eu sou agora o que eu não queria ser. Sou à espera. O medo e a Incertesa. Não quero fugir. Mas,também não desejo morrer, também não quero matar ....Não sei quando isso vai acabar e se vai acabar. Só sei que quero paz! Tenho um grito preso no fundo da garganta, no fundo alma e no fundo do coração. As pessoas são surdas? Ou somente ouvem aquilo que lhes convém? Vencer,matar e morrer .Assim se vive. Quem não vence morre. Quem ganha tem que matar! Cruel e verdadeiro.
Até onde se pode viver? E amar? Odiar? O que não me é permito? O que eu sou? No que me trasformei? E o que ainda pode vir sobre mim? Eu não sei ... nunca sei...só sei que minto, que finjo e que tenho dor. Que a vida me engole... e que tem formas de ondas gigantes de água gelada, azul me jogando de um lado para o outro me virando ,me afundando e me matando.

As Luzes serenas a calmaria a noite e o sono.Não posso dormir! Ou e o sono que não vem?! Que não chega nunca?!
Quem quer viver ? Quem precisa ter tantas perguntas ? Talvez finalmente depois desses anos todos eu ...eu acho que sempre fiz tudo errado porque as coisas nunca deram certo! Minhas perguntas estão erradas! Quais são as perguntas certas? E as respostas onde eu as encontro? Não quero ficar uma velha surda sem historias para contar, quero ir para o asilo e ter muito que falar...não quero me afundar em pensamentos e esquecer de onde vim e quem sou....Afinal ...QUEM EU SOU?

Nenhum comentário:

Postar um comentário