Meio de volta...

domingo, junho 7



Estou só.
Sou eu quem caminho pela noite.
Sou eu quem te vigia de dia.
Sou eu quem te atormento a noite.
Sou dor,fome e lamento.
Quero a sua vida.
Seu calor.
Sou o seu pesadelo.
A sua insonia.
Sua solidão e agonia
Sua dor mas profunda...
Seu medo,seu pavor..
Vou te devora e deflorar
Estrupar seu ser e detupar o resto da sua vida
Quero ser o seu corvo. Vou comer seus resto e devorar suas viceras.
Sou seu odio
Em busca de você.
Seu estomago arde de odio eu me alimento de você.
Sou seu parasita de estimação,sua sombra...
sua escuridão.
Sou trevas e podridão.
Sou o dom do rejeição.
Sou aqueles que você zombou e não teve compaixão.
Sou ...eu e sou você...somos...um só ser.




4 comentários:

  1. muito lindo o seu poema, um pouco de nós, o ambandono.

    Blog Suicide Virgin

    ResponderExcluir
  2. Mil caminhos
    Esta viagem sem velas nem vento
    Este barco na bolina das ondas
    Esta chuva miúda transborda sentimento

    Amarras prendem o gesto
    Arrocham um coração que bate incerto
    Uma gaivota retoca as penas com espuma
    Levanta voo em rumo concreto

    Partilha comigo “100 Anos de Ilusão”


    Mágico beijo

    ResponderExcluir
  3. Lethéia

    Amo a humanidade, o poema marcado pelo desalento, considero-o bom enquanto me emociono por ver de perto alguém que sofre. Não cuido da saber porquês, mas que tal, com a tua inegável imaginação, se escrevesses um poema de esperança, porque essa fará parte do sonho de algum dia. Gosta de ti, valeu!
    Procura armar-te com a flor da simpatia, tem melhores hipóteses de germinar no futuro. Porque o que importa é o futuro!
    Considero-te com um beijo carinhoso.
    Daniel

    ResponderExcluir
  4. Olá gostei do teu Blog por ele ter algo triste o meu é bem estilo gótico, gostei dessa postagem espero que tu também goste do meu.

    Um beijo

    ResponderExcluir